Em apenas três meses, dez pessoas já foram recolocadas no mercado de trabalho por meio do ‘Cruzando História"

14:41 |

Por  em maio 18, 2017


Em apenas três meses, dez pessoas já foram recolocadas no mercado de trabalho por meio do ‘Cruzando Histórias’
Por José Francisco Neto
Após ficar desempregado por oito meses, o cotiano Laércio Silva, 47, não sabia por onde correr. A preocupação foi ficando cada vez maior, até o dia em que conheceu o projeto social ‘Cruzando Histórias’, que tem como finalidade ajudar a reinserir pessoas no mercado de trabalho. Em apenas três meses, dez pessoas já foram reempregadas por essa iniciativa. Laércio foi uma delas.
“A mãe de um aluno da escola em que trabalhei por 13 anos, me colocou em um grupo [de rede social], após ficar sabendo que eu estava desempregado. Foi quando uma pessoa do grupo entrou em contato comigo e me falou do projeto. Contei minha história para ela, e ela publicou. Uma semana depois, uma senhora me ligou, passei na entrevista e agora estou no meu novo emprego. Isso já vai fazer três meses”, relata Laércio, que hoje trabalha como motorista particular para um casal de idosos.
Laércio Silva consegui novo emprego após ter história contada
Laércio Silva consegui novo emprego após ter história contada
A idealizadora do Cruzando Histórias é a cotiana Beatriz Marques, a Bia. Analista de RH, ela se motivou após uma reportagem sobre o desemprego que a deixou sensibilizada. Bia conta ao cotiatododia que a história de uma mulher, mãe de três filhos, mostrada na matéria, fez com que ela se movimentasse.
“Eu fui atrás dessa mulher para poder auxiliá-la de alguma maneira. Mas não a encontrei. Fiquei com essa história na cabeça. Foi quando uma amiga minha, a Mariana, falou para fazer algo nessa área, pois eu já tinha conhecimento”, conta.
E foi o que Bia fez. No dia seguinte, ela já criou uma página no Facebook e foi atrás da primeira história. O sucesso do projeto Cruzando Histórias não tardou. Hoje, Bia já tem mais de 20 histórias, de pessoas que lutam para arrumar um emprego, publicadas no site. Já foram mais de 600 atendimentos, por meio de ligações, email e conversas pessoais.
“O cruzando é um trabalho de sensibilização. Procuramos despertar e empatia das pessoas através da contação de histórias reais. A ideia é contar a história de pessoas de verdade, que estão passando por situação de desemprego, mostrar para outras pessoas – empregadores e empresas – que existem pessoas por trás dos currículos, que existem histórias, e não apenas um simples papel”, explica.
Trabalho humanizado
Bia Diniz, Analista de RH idealizou o projeto após reportagem sobre desemprego
Bia Diniz, Analista de RH idealizou o projeto após reportagem sobre desemprego
A maior dificuldade, segundo ela, é fazer com que os empregadores e as agências “reprogramem seus olhares”. Bia ressalta que o “Cruzando Histórias” vem fazendo um trabalho “mais humanizado”, ao mostrar “quem é a pessoa”, antes de saber “o que ela faz.”
“Muitos empregadores já entenderam o nosso propósito. Recebemos muitas mensagens de apoio e incentivo, vindas de empregadores. Sabemos que ainda é curioso, mas vamos trabalhar para que se torne natural”, afirma.
Para conseguir impactar mais pessoas, o “Cruzando Histórias” está buscando parceiros como empresas, agências de RH, voluntários e canais de divulgação. Para saber formas de ajudar encaminhe um e-mail para contato@cruzandohistorias.com.br . Você também pode acessar a página do Facebook: https://www.facebook.com/cruzandohistorias/?fref=ts ou o site: www.cruzandohistorias.com.br.

Redação

0 comentários:

Postar um comentário