Bebê indiano de apenas 14 dias tem feto morto retirado do estômago

12:56 |

Bizarro

13/04/2017



Foto: Reprodução / Daily Mail
Na Índia, um menino – que não teve seu nome revelado –, passou por uma cirurgia para tirar um feto morto de dentro do seu estômago.

Inicialmente os médicos acreditavam que era um tumor, mas encontraram os restos de seu gêmeo no corpo do garoto. A condição conhecida como fetus in fetu, ou gêmeo parasita, só foi diagnosticada 200 vezes em todo o mundo.

É causada pela separação incompleta de um dos gêmeos, que não cresce e se transforma em uma parte interna do gêmeo saudável.“Foi a segunda vez que me deparei com um caso tão raro na minha longa carreira médica”, disse o cirurgião, Dr. Venkatesh Annigeri.

Veja também 

Uma equipe de três especialistas no Hospital Médico SDM em Dharward, uma cidade em Karnataka, realizou a operação com duas horas de duração. “Havia uma estrutura tipo tumor dentro do abdômen do bebê, mas logo percebemos que era o gêmeo malfadado que não conseguiu se separar e crescer com sucesso”, disse Annigeri. “Era um bebê de baixo peso ao nascer, estruturas muito pequenas, complicações de anestesia, e o feto estava emendado às estruturas vitais do bebê”, completou.

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no Facebook e no Twitter.

Foto: Reprodução / Daily Mail


A cirurgia foi muito desafiadora porque o feto estava preso entre a pelve eo retroperitônio – uma lacuna no estômago. Os médicos explicaram que a condição poderia ter sido diagnosticada se a mãe tivesse sido submetida a um ultrassom. Quando a família percebeu o crescimento no estômago do bebê, ele foi levado para um hospital nas proximidades. Os pais relataram que o garoto tinha dificuldades de urinar antes de ser transferido para a unidade especializada.

O caroço era uma distensão abdominal, que ocorre quando gás, líquido ou sólidos se acumulam na barriga. Segundo os médicos, o problema era que o feto estava localizado no interior da cavidade abdominal. Após a cirurgia, a bebê se recupera na unidade neonatal de cuidados intensivos do hospital.

Daily Mail / Jornal Ciência


0 comentários:

Postar um comentário