Vera Magalhães esmiúça e mostra os erros na carta de 12 deputados democratas dos EUA dizendo que Lula seria vítima de arbitrariedades do juiz Sergio Moro. “Nunca vi um festival de bobagens em tão poucas linhas”, diz. Confira alguns trechos da missiva e os comentários:
"Estamos especialmente preocupados com a perseguição do ex-presidente Lula da Silva, que viola as normas de tratados internacionais que garantem o direito da defesa para todos os indivíduos."
Lula não tem nenhum de seus direitos de defesa violados. A sua defesa está sendo ouvida em todas as instâncias dos cinco processos a que ele responde. O ex-presidente dispõe de uma banca de advogados que poderia defender todos os 12 advogados democratas e ainda sobraria defensor sem ter o que fazer.
“Lula tem sido alvo de um juiz, Sergio Moro, cujas ações parciais e arbitrárias tem ameaçado seu direito de defesa”
Não é só com o juiz Sergio Moro, a quem a carta se destina. Lula é pentarréu em três operações diferentes.
“O juiz ordenou a prisão arbitrária do ex-presidente só para servir de intimação”
Ele não foi preso em nenhum momento. O ex-presidente Lula foi conduzido para depor. Isso não é prisão. Informem-se sobre o sistema judicial brasileiro antes de dar pitaco direto de Washington.
“...embora não houvesse nenhuma indicação de que o ex-presidente não quisesse depor na Justiça”
É mentira. Lula se recusou várias vezes convites a depor e interpôs recursos quando era convocado. Quando houve a condição coercitiva, Lula depôs tranquilamente e isso foi gravado (dizendo até palavrões). Não houve nenhuma restrição a seus direitos, os advogados participaram, deputados do PT e do PCdoB participaram.
Os deputados democratas se prestaram a um papelão.