O piloto do avião que levava o ministro Teori Zavascki até Paraty fazia o mesmo trajeto (São Paulo - Rio) há mais de 15 anos. Estava acostumado a viajar com Beechcraft C90, o bimotor que tinha toda a documentação em dia, segundo a ANAC.
O comandante Osmar Rodrigues, que trabalhava para o empresário Carlos Alberto Filgueiras, dono do Grupo Emiliano, também conhecia as peculiaridades do litoral fluminense como a palma da mão. 
Mazinho, como era conhecido, deu até palestras sobre a rota no ano passado no Campo de Marte para pilotos da aviação executiva.
Segundo Helber Emanuel Bedini, empresário de tráfego aéreo que passou a 5a feira no aeroporto regional de Paraty, o mau tempo prejudicou a operação no terminal e pode ter motivado a queda do kingair.
Antes do acidente, apenas um helicóptero pousou no aeroporto. Nenhuma outra aeronave usou a pista por causa do mau tempo, segundo Bedini.
“O que a gente sabe por cima é que a aeronave a dois quilômetros da cabeceira fez o pouso forçado. Ele conhecia aqui na palma da mão”, disse.
Comandante Mazinho deixa esposa, uma filha e um filho, também piloto. Ele morava em Santana, bem perto do Campo de Marte, na zona norte em São Paulo, onde também ficava angariado o King Air.
Segundo o empresário Helber Bedini, Mazinho era conhecido por ser um profissional responsável, discreto e muito comprometido com a profissão.
*Informações da repórter Carolina Ercolin